Something went wrong. Please try again later...

Manejo Integrado de Pragas: Modos de ação de inseticidas

Contexto

No Brasil, as culturas estão sujeitas a ataques de diferentes espécies de pragas ao longo do seu desenvolvimento, provocando perdas sensíveis na produção agrícola.

Esse material, além de proporcionar uma visão sintetizada sobre o Manejo Integrado de Pragas (MIP), pretende  conscientizar, orientar e estimular a adoção das Boas Práticas Agrícolas, garantindo resultados sustentáveis, produtivos e responsáveis no campo.

O QUE É MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS

O Manejo Integrado de Pragas (MIP) consiste em um sistema de manejo que, por meio de técnicas apropriadas, procura manter a população de pragas em níveis abaixo daqueles capazes de causar dano econômico (FAO).

Dentre os diferentes pilares do MIP, destacamos:

- Controle cultural

- Controle biológico

- Controle químico

- Controle legislativo

- Variedades resistentes e plantas transgênicas 

- Manejo da resistência de insetos

DEFINIÇÃO MIP

O MIP se baseia na identificaçãode pragas e inimigos naturais, como no monitoramento da lavoura e no conhecimento dos níveis de ação para o controle e a tomada de decisão.

DESAFIO DO MANEJO DE PRAGAS

Pragas: quase 400 milhões de anos de adaptação

O clima tropical do Brasil possibilita o cultivo o ano todo, com datas aleatórias, favorecendo os seguintes aspectos negativos:

- Safras subsequentes gerando alimento o ano todopara as pragas

- Uso mais frequente e inadequado de defensivos

- Baixa adesão às Boas Práticas Agrícolas 

O QUE É RESISTÊNCIA DE INSETOS?

A resistência de um inseto a um inseticida ou a uma proteína Bt é uma característica genética herdada, na qual, o inseto tolera doses que são letais para maior parte dos indivíduos que formam a população da praga. 

PRAGAS: QUASE 400 MILHÕESDE ANOS DE ADAPTAÇÃO

Fatores que contribuem para a evolução da resistência 

- Frequência inicial do(s) alelo(s) resistente(s) 

- Pressão de seleção para resistência 

- Dominância funcional do(s) alelo(s) resistente(s) 

- Valor adaptativo de heterozigotos e homozigotos resistentes 

- Diluição da resistência por migração (fluxo gênico – saída de RR e entrada de SS)Número de gerações por ano 

Clique no link abaixo para ter acesso a este conteúdo em formato de 

MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS