Blog BPA •  15/12/2020

Programa de Aplicação Responsável: inspeção de pulverizadores

Os equipamentos de pulverização devem ser constantemente revisados e apresentar boas condições de uso. É interessante calibrar o pulverizador com água antes da aplicação. 

Os equipamentos de pulverização devem ser constantemente revisados e apresentar boas condições de uso. É interessante calibrar o pulverizador com água antes da aplicação.

 

Metodologia para inspeção de pulverizadores

Antes de iniciar o processo de inspeção:

a)Realize a limpeza do pulverizador, com atenção para os seguintes itens: lavagem do equipamento, limpeza dos filtros (de linha, de sucção e das pontas etc) e limpeza dos corpos, dos bicos e das pontas.

b)Encha o tanque somente com água. Na sequência, faça a checagem dos itens a seguir.

 

Primeira etapa:

Inspeção com o pulverizador desligado e parado.

a)Estado dos filtros de linha e sucção:
- verifique se há rompimento da malha, dos anéis de vedação ou acúmulo de sujeira.

b)Estado e localização das mangueiras:
- verifique se há mangueiras rachadas, ressecadas ou torcidas.
- observe se sua localização não está interferindo na pulverização.

c)Proteção das partes móveis:
- Eixo cardam, correias ou qualquer outro elemento móvel que esteja exposto.

d)Espaçamento entre bicos:
- o espaçamento não deve ultrapassar 10% (para mais ou para menos) em relação ao espaçamento pré-determinado.

e)Tipos de ponta de pulverização:
- todas as pontas ao longo da barra devem ser do  mesmo modelo, vazão e angulação.

 

Segunda etapa:

Com o pulverizador acionado, ligue a pulverização com o equipamento parado, utilizando a pressão usual.

O motor deve funcionar em rotação de trabalho.

a)Vazamentos:
- verifique a presença de qualquer tipo de vazamento.

b)Presença e adequação do manômetro:
- verifique a presença e se ele está funcionando.
- a adequação do manômetro é conferida de acordo com a escala máxima e a pressão usual de trabalho. Esta adequação se dá quando a pressão de trabalho está entre 25 e 75% da escala máxima de manômetro.

 

Terceira etapa:

Desligar a pulverização e verificar imediatamente.

a)Funcionamento das válvulas antigotejo:
- o funcionamento deve ser verificado no momento em que a pulverização é desligada. É constatada falha quando as pontas ficam vazando após o desligamento da pulverização.

b)Estado das pontas de pulverização:
- a análise deve ser realizada de acordo com a vazão individual das pontas. Para tanto, é feita a coleta da vazão das pontas utilizando mangueiras fixadas nos bicos e baldes plásticos.

 

Material necessário

  1. Mangueiras
    - estas mangueiras são compostas por um segmento de câmara de ar de pneu de bicicleta (15 cm de comprimento) fixada na ponta de um pedaço de mangueira de 40 cm de comprimento.
    - o número de mangueiras deve ser igual ao número de bicos de pulverizador.

  2. Baldes
    - o número de baldes deve ser igual ao número de bicos mais um. Exemplo: se o pulverizador possui 32 bicos, serão necessários 32 baldes para coleta e mais um balde para pesagem, um total de 33 baldes.
    - baldes com capacidade mínima de 5 litros.

  3. Balança eletrônica
    - deve ter precisão de pelo menos 0,001 kg e capacidade de, no mínimo, 5 kg.

  4. Dois cronômetros

  5. Três pontas de oulverização novas com a mesma vazão das que são analisadas.

 

Metodologia


Serão analisadas duas pessoas para a realização da coleta:

  1. Encaixe as mangueiras nos bicos e distribua os baldes ao lado das mangueiras.

  2. Acione a pulverização na pressão mais utilizada (pulverizador parado e motor na rotaçã ode trabalho).

  3. Cada pessoa deve ficar com um cronômetro: uma pessoa será responsável por colocar os baldes embaixo das mangueiras. A outra será responsável por retirar os baldes.

  4. A coleta será sempre da esquerda para a direita (olhando o pulverizador pela traseira).

  5. As duas pessoas deverão disparar os cronômetros ao mesmo tempo.

  6. Neste momento (quando o cronômetro é disparado) uma pessoa irá colocar o primeiro balde embaixo da primeira mangueira e, a cada 5 segundos, irá colocar os próximos baldes embaixo das próximas mangueiras, seguindo a sequência, da esquerda para direita.
    Exemplo: no momento do disparao do cronômetro (instante zero) é colocado o primeiro balde; o segundo balde em 5 segundos, o terceiro balde em 10 segundos, o quarto balde em 15 segundos, assim sucessivamente, até chegar ao fim da barra.

  7.  A segunda pessoa retirará o primeiro o primeiro balde quando o cronômetro indicar 2 minutos, e a cada 5 segundos os próximos baldes (seguindo a mesma sequência em que os baldes foram colocados).
    Exemplo: o primeiro é retirado aos 2 minutos, o segundo aos 2 minutos e 5 segundos, o terceiro aos 2 minutos e 10 segundos, o quarto aos 2 minutos e 15 segundos, e assim por diante. Seguindo esta metodologia, cada balde terá coletado a vazão por 2 minutos.

  8. Coloque as três pontas novas na barra do pulverizador e colete a vazão delas por 2 minutos (siga os mesmos passos descritos anteriormente, porém, somente para essas três pontas).

  9. Pese o conteúdo de cada balde:
    - pesar na mesma sequência em que foram distribuidos no pulverizador (da esquerda para a direita). Deve ser considerada a primeira ponta (ou a ponta número 1), aquela mais à esquerda da barra, olhando por trás do pulverizador.
    - use sempre o mesmo balde para a pesagem, descontando seu peso (tara da balança), despeje o conteúdo dos baldes que foram utilizados na coleta dentro deste balde.
    - anote os valores de peso na mesma sequência, de maneira que o peso do balde 1 seja reconhecido como o peso da vazão coletada da ponta 1 (sempre da esquerda para a direita, olhando o pulverizador por trás).

  10. A densidade da água é aproximadamente 1 kg/litro, ou seja, 1 litro de água pesa 1 quilo. Portanto, o peso da água pode ser considerado como seu volume.

  11. Compare o valor de vazão das pontas usadas com os valores da média das três pontas novas:
    - o valor das pontas usadas não deve ultrapssar 10% (para mais ou para menos) do valor da média das pontas novas.
    - se o valor for superior, a ponta está gasta, devendo ser substituída.
    - se o valor for inferior, é sinal de obstrução, a ponta ou o filtro podem estar entupidos.

 

Calibração:

- com base nas vazões individuais de cada ponta, calcule a taxa de aplicação. O cálculo está descrito na ficha de inspeção (checklist).

- o erro na taxa de aplicação não deve ultrapassar 5% (para mais ou para menos).

 

Cálculo da taxa de aplicação

Com base nas vazões coletadas em cada ponta, será conferida a calibração do pulverizador:

a)Descontar as vazões das pontas que estão fora de conformidade.

b)Fazer a média da vazão de todas as pontas.

c)Calcular a taxa de aplicação utilizando a equação:

 

 

Vcal = volume de calda (L/ha)

Vaz = vazão média das pontas (L/min)

Vel = velocidade de aplicação (Km/h)

Esp = espaçamento entre pontas (em metros)

 

Obs.: o erro tolerável para a calibração é de + ou – 5%.

Tomada de decisão

Como calcular a vazão de cada ponta?

Como a vazão foi coletada durante 2 minutos, divida o valor do volume de cada balde por 2 para obter a vazão em litros por minuto e compare o valor da vazão das pontas usadas com os valores da média das três pontas novas.

 

Atenção:

- o valor da vazão das pontas usadas não devem ultrapssar 10% (para mais ou para menos) do valor da média observada para as pontas novas;

- se o valor for superior, a ponta está gasta, devendo ser substituída;

- se o valor for inferior, é sinal de obstrução. A ponta ou o filtro podem estar entupidos.

Deve-se substituir todas as pontas de pulverização quando 10% das pontas avaliadas apresentarem vazão 10% maior em relação à média da vazão das 3 novas testadas.

Por exemplo, em um pulverizador com 71 bicos, substitua todos quando 8 apresentarem vazão 10% superior à média da vazão das 3 pontas novas. Caso contrário (quando menos de 8 pontas apresentarem vazão 10% superior à média da vazão das 3 pontas novas) substitua somente as pontas com problema.