Blog BPA •  07/04/2021

Enfezamento na cultura do milho

O enfezamento do milho tem se destacado entre a principal doença do milho nas últimas safras, com perdas em diversas regiões do país, podendo chegar a 100%, dependendo da época de infecção e suscetibilidade do cultivar (SILVA et al., 2003).

O que é o complexo de enfezamento?

E a denominação utilizada por alguns autores para se referirem de forma indefinida três doenças sistêmicas causadas por três agentes patogênicos com características biológicas e identificação completamente diferentes, que, sendo transmitidos pelo mesmo inseto-vetor, podem infectar de forma individual e isolada, ou simultaneamente, uma planta de milho.

 

Figura 1. Cigarrinha, Dalbulus maidis, em plântula de milho. Foto: Simone Vieira

 

 

Quais são os tipos?

Existem dois tipos de enfezamento, que são causados por patógenos da classe dos molicutes.
O Enfezamento Pálido é causado pelo patógeno Spiroplasma kunkelii, o Enfezamento Vermelho é causado pelo Maize bushy stunt phytoplasma e o Raiado Fino (Maize rayado fino-MRFV) (OLIVEIRA et al., 2002). Os molicutes invadem sistemicamente, e se multiplicam nos tecidos das plantas, mais especificamente no floema e são transmitidos para plantas sadias por meio da cigarrinha do milho, Dalbulus  maidis (Figura 1), que ao se alimentarem de plantas doentes, adquirem o patógeno, num período latente que varia de 3 a 4 semanas (WAQUIL, 2004).

Como distingui-los?

A distinção entre os dois tipos de enfezamento, é feita com base nos sintomas da planta:

- no enfezamento pálido, os sintomas, inicialmente são listras largas descoloridas, amarelas ou verde-limão, na base das folhas infectadas, e posteriormente, as folhas novas apresentam o mesmo sintoma, além disso, a planta infectada pode apresentar encurtamento de entrenós, espigas mal formadas, deformadas ou ausentes e deformações no pendão, porém em alguns casos, os sintomas podem ser leves ou até mesmo ausentes;

 

- no enfezamento vermelho pode causar sintomas como: o avermelhamento de folhas mais velhas; encurtamento de entrenós, perfilhamento anormal e desenvolvimento de várias espiguetas. Essa virose pode causar reduções na produção da ordem de 30%. Como esse vírus é transmitido pelo mesmo inseto vetor que transmite os agentes causais do enfezamento vermelho e do enfezamento pálido, geralmente ocorre simultaneamente com essas doenças. Contudo, sua incidência é variável em áreas e em anos distintos, em geral sem atingir os mesmos níveis de incidência dos enfezamentos.

 

- no Raiado fino pode causar reduções de 30% na produção. Como esse vírus é transmitido pelo mesmo inseto que transmite os agentes causais do enfezamento vermelho e do enfezamento pálido, geralmente ocorre simultaneamente com essas doenças. No entanto, a incidência é variável em áreas e em anos distintos, em geral sem atingir os mesmos níveis de incidência dos enfezamentos. Os primeiros sintomas aparecem como pequenos pontos cloróticos na base e ao longo das nervuras das folhas jovens. Tornam-se evidentes com grande número de pontos cloróticos, que se fundem, tomando aspecto de riscas curtas.

 

Como é a infeccção?

O aumento de áreas onde a permanência da cultura do milho em campo é maior (milho safrinha), há o favorecimento da multiplicação do vetor e consequentemente aumento  da disseminação dos patógenos e as perdas causadas pelo enfezamento (SABATO, 2017). A infecção se dá principalmente no início do desenvolvimento da planta, nas fases iniciais, com sintomas que evoluem e se manifestam na fase de produção. Os sintomas são mais severos quando a inoculação do patógeno ocorre no início do desenvolvimento da planta (SABATO et al., 2015).

Os enfezamentos afetam o sistema fotossintético, diminuindo a síntese e competindo por fotoassimilados (OLIVEIRA et al., 2004) e por consequência a uma redução no desenvolvimento e assimilação de nutrientes, tamanho da planta, encurtamento de entrenós e, nas espigas, uma redução de tamanho e grãos malformados, tornando-as improdutivas (KIMATI et al., 1997).

 

Quais são os danos?

Além dos danos relatados anteriormente, o Complexo de enfezamento causa podridão de espigas, afetando diretamente no peso e a qualidade dos grãos, aumenta o índice de quebramento de colmo, dificultando a operação de colheita e com isso, há uma significativa perda de produtividade. Já em relação a virose Raiado fino, os primeiros sintomas no campo, aparecem em plantas a partir de 30 dias após a semeadura, e permanecem visíveis mesmo nas plantas em fase de produção. Os sintomas da risca podem ser melhor identificados observando as folhas infectadas contra a luz. Plantas infectadas podem apresentar espigas e grãos menores que o tamanho normal.

 

Como realizar o controle?

Para o sucesso do manejo do Complexo de enfezamentos, é necessário o controle do vetor fundamentado no Manejo Integrado de Pragas (MIP), onde as tomadas de decisões devem se basear considerando os vários agentes que participam desse ciclo: a praga, o cultivo e as condições ambientais (OLIVEIRA et al., 2007).

Não existem medidas que, tomadas isoladamente, são capazes de controlar as perdas de produção causadas pelo Complexo de enfezamentos. Os usos de medidas preventivas em conjunto com outras abordagens de controle pré e pós-plantio são responsáveis pela diminuição da disseminação da doença no campo.

Em uma alta infestação, é necessário adotar medidas de controle simultaneamente em toda região, devido a capacidade migratória do inseto vetor. Tais medidas incluem:

:: evitar semeaduras tardias, que concentram cigarrinhas infectantes com molicutes, provenientes de lavouras com plantas adultas presentes nas imediações;

:: evitar utilizar sistema de produção com semeadura escalonada;

:: diversificar híbridos e cultivares para evitar variação genética dos patógenos. 

:: além disso, deve-se evitar semear próximo a plantios muito afetados e eliminar tigueras, que podem ser fonte de inóculo para as safras seguintes e utilizar cultivares de milho com resistência genética ao complexo de enfezamento.

:: é fundamental o monitoramento desde a germinação até o pendoamento, com a retiradas de plantas com sintomas, quando possível, e eventuais aplicações de inseticidas para controle populacional da cigarrinha.

:: fazer o monitoramento e aplicações de inseticidas no período vegetativo, principalmente nos estágios iniciais (até V12), lembrando que pode ocorrer ataque até VT.

O tratamento de sementes no momento do plantio e a pulverização de inseticidas quimicos e biológicos são as principais estratégias para controle da cigarrinha e deve sempre seguir as recomendações de boas práticas agrícolas.

 

Referências Bibliográficas

 

KIMATI, H.; AMORIM, L.; REZENDE, J. A. M.; BERGAMIM FILHO, A.; CAMARGO, L. E. A. (Ed.). Manual de fitopatologia. 3. ed. São Paulo: Agronômica Ceres, 1997. v. 2. 663 p.

OLIVEIRA, E. de; SANTOS, J.C.; MAGALHÃES, P.C.; CRUZ, I. Maize bushy stunt phytoplasma transmission is affected by spiroplasma acquisition and environmental conditions. Bulletin of Insectology, v.60, p. 229‑230, 2007.

OLIVEIRA, E. de; DUARTE, A. P.; CARVALHO, R. V. de; OLIVEIRA, A. C. de. Molicutes e vírus na cultura do milho no Brasil: caracterização e fatores que afetam sua incidência. In: OLIVEIRA, E.; OLIVEIRA, C. M. Doenças em milho. Molicutes, vírus, vetores e mancha por Phaeosphaeria. Brasilia, DF, 2004. p. 17-34.

OLIVEIRA, E. de; OLIVEIRA, C. M. de; SOUZA, I. R. P de; MAGALHAES, P. C.; CRUZ, I. Enfezamentos em milho: Expressão de sintomas foliares, detecção dos molicutes e interação com genótipos. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v. 1, n. 1, p. 53-62, 2002.

SABATO, E. de O. Enfezamentos e viroses no milho. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE MILHO SAFRINHA, Cuiabá. Construindo sistemas de produção sustentáveis e rentáveis: livro de palestras. Sete Lagoas: Associação Brasileira de Milho e Sorgo, cap. 7, p. 196-219, 2017.

SABATO, E. de O.; OLIVEIRA, C. M. de; SILVA, R. B. Q. da. Transmissão dos agentes causais de enfezamentos através da cigarrinha Dalbulus maidis, em milho. Circular Técnica 209. Sete Lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, 2015. 8 p.

SILVA, R. G.; GALVÃO, J. C. C.; MIRANDA, G. V.; OLIVEIRA, E. de. Controle genético da resistência aos enfezamentos do milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.38, p. 921-928, 2003.

WAQUIL, J. M. Cigarrinha-do-milho: vetor de molicutes e virus. Embrapa Milho e Sorgo. Sete Lagoas: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. EMBRAPA / Circular Técnica, n. 41, 2004.